Ratinho Junior: ‘Paraná vai pegar firme na fiscalização’

ratinho-jc-fiscalizacao
Com mais de 1 milhão de casos confirmados e 25 mil mortes, Estado vive situação crítica, disse o governador, que mostrou preocupação com o aumento do número de jovens internados. Ele pediu que as pessoas ajudem na conscientização

Preocupado com o crescente número de casos de covid-19 registrados no Estado, o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), disse na quarta-feira (26) que o Estado vai pegar pesado em fiscalizações para tentar conter a disseminação da covid-19. O governador pediu que a população também participe com denúncias.

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (27) mais 5.677 casos confirmados e 194 mortes pela covid-19 no Paraná. Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.073.391 casos confirmados e 25.819 óbitos.

Ampliação toque de recolher

Na terça-feira, o Governo do Paraná publicou um novo decreto, ampliando o toque de recolher e restringindo serviços não essenciais em todo o Estado. As novas regras começam a vigorar às 5h de sexta-feira (28) e valem até às 5h do dia 11 de junho, mas podem ser prorrogadas.

Segundo o texto, o toque de recolher e o período de proibição da venda e consumo de bebidas alcoólicas em espaços de uso público ou coletivo passam a valer das 20h às 5h.

As mudanças levam em consideração um cenário cada vez mais delicado da pandemia no Estado. A lotação de leitos de UTI está acima de 90% desde o começo do ano, mesmo com 1.916 leitos disponibilizados na rede exclusiva SUS, com a dificuldade adicional de mais de mil pacientes aguardando internação em leito Covid-19 (UTI e clínico). Eles estão em unidades básicas ou de pronto atendimento. Há, ainda, uso intensivo do chamado kit intubação, gerando quedas nos estoques do Estado.

A taxa de transmissão do Paraná é a pior do País, segundo o portal Loft.Science, utilizada por pesquisadores da área. É de 1,14 nesse momento, enquanto a média nacional é de 1,03. O indicador acima de 1 significa transmissão acelerada da doença.

O governador destacou que o momento é crítico, principalmente com os números de internações aumentando. “Não é um momento simples, tínhamos conseguido avançar, no final de marco, começo de abril, com as restrições, estávamos entre os Estados com menor taxa de transmissão”.

Fiscalização mais rígida

Agora, disse, o Governo do Estado vai agir para conter as aglomerações e festas clandestinas. “Aqueles poucos irresponsáveis que fazem balada clandestina, aglomerações, sem ter preocupação com a restrição. Vamos atacar de forma pesada”.

O decreto que começa a valer na sexta-feira, de acordo com o governador, vai dar mais poder para que as forças de segurança ajam com rigor. Ele avisa que terá blitz todos os dias e que os delegados vão poder aplicar multa e fiança pesada para quem for preso. “Vamos pegar pesado nas blitz. Queremos pedir que a população denuncie, porque é muito importante. A grande maioria tem feito a lição de casa, mas a irresponsabilidade de poucas pessoas acaba atrapalhando quem está há um ano tentando melhorar a situação”.

O governador disse que a Secretaria Estadual da Saúde tem registrado aumento nos números de jovens internados com covid-19. Segundo ele, isso preocupa ainda mais no controle da doença.


FONTE: PSD

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *